Arte e Cultura no Parque do Areal

Projeto Vila Cultural promoverá atividades ao longo de todo o sábado abertos à comunidade. Tex Quarteto (foto) é uma das atrações musicais, que ainda conta com batalhas de rima, rock e blues

No dia 12 de maio, sábado, o Parque do Areal vai sediar a 1ª edição do projeto Vila Cultural. Será um dia inteiro de atividades abertas à toda a comunidade e para diferentes públicos, com entrada franca. A ideia é criar um vínculo de afeto e cuidado entre as pessoas, o parque e a cidade. A programação inclui apresentações musicais, atividades infantis, campeonatos esportivos com premiação, roda de conversa sobre sustentabilidade, roda da capoeira e apresentação de Teatro Popular de Bonecos.
O evento começa às 9h, com a roda de conversa “Sustentabilidade, conservação e apropriação do Parque do Areal”, mediada pelo professor mestrando Leonardo Farias (SEEDF/UnB). No mesmo horário, começam as atividades infantis e os campeonatos esportivos, que seguem até às 17h, com pula-pula, futebol, vôlei e basquete.
Às 10h, capoeiristas da cidade se reúnem em uma grande roda do projeto Bom de Ginga, do Mestre Xuxa. Às 15h, entra em cena o teatro de bonecos do grupo Mamulengo Sem Fronteiras. Das 16h às 21h, o projeto segue com atrações musicais de diferentes gêneros: Batalha de Rima Areal, Natan Quarteto (instrumental), Hotel Blues, Tex Quarteto (instrumental) e a banda Os Cachorros das Cachorras. Nos intervalos, o som fica por conta do DJ El Bruxxo.
No segundo semestre de 2018, o projeto realizará a 2ª edição no mesmo parque e com novas atrações.

Arte e Sustentabilidade
O Projeto Vila Cultural foi contemplado pelo Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Cultura do Distrito Federal (FAC-DF), por meio do edital de Ocupação de Parques. O objetivo é promover a sensibilização e a afetividade da comunidade local com o Parque do Areal. Até o momento considerado um parque urbano, o local está em fase de recategorização para ser classificado como Parque Ecológico, devido a presença de importantes nascentes e vegetação nativa, apesar de estar entre duas grandes cidades: Taguatinga e Águas Claras. O processo de reclassificação requer ainda mais atividades de conscientização e proximidade da comunidade local nos cuidados com o parque.