Problemas de pele aumentam com o uso das máscaras faciais durante a pandemia

Maskne, alergias e a piora de outros problemas de pele são queixas comuns

Recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério de Saúde, a máscara facial foi incorporada ao dia a dia da maioria dos brasileiros. Com o uso, também aumentaram os problemas de alergias e da maskne (acne provocada pelo uso das máscaras)

Antes de tudo, a rotina de cuidados com a pele deve continuar. O uso de sabonete para a limpeza e higienização da pele, hidratante e protetor facial é fundamental, mesmo com maior permanência em casa. Outro ponto é escolher uma máscara que ofereça menos atrito à pele, de preferência as 100% algodão de duplo revestimento. As de tecidos sintéticos, como poliéster puro, devem ser evitadas pois são muito propensas a causar alergias.

O biomédico esteta José Henrique explica, ainda, que “as máscaras devem ser trocadas a cada duas horas, é importante lavar as mãos para manuseá-las e levar, sempre, na bolsa ou mochila, máscaras limpas para a troca. Recomendo, ainda, lavar o rosto muito bem em casa, fazer compressas com algodão ou gaze, com soro fisiológico ou, ainda, água termal durante 10 ou 15 minutos, para aqueles que tenham o rosto muito sensível”, afirma.

Para quem já tem patologias crônicas de pele, como acne, rosácea, dermatite atópica, dermatite seborreica ou psoríase, o profissional alerta que é indicado procurar atendimento e, ainda, evitar o uso de ácidos e peelings para não sensibilizar mais a pele.

Para agendamento e informações (61) 98313-1714 e no Instagram @dr.josehenriquesantos