Kenny King, a nova cara do funk brasiliense desponta com coreografias viciantes

Kenny King, a nova cara do funk brasiliense desponta com coreografias viciantes

De Ceilândia, o artista lidera balé de famosos e recruta dançarinos do DF para shows e videoclipes

Ele não para! Fenômeno do funk e idealizador de coreografias viciantes da rede social TikTok, o jovem Kennedy Nunes, nascido em Ceilândia se transformou em um rei dos ritmos: Kenny King. Com apenas 25 anos, o bailarino, considerado o coreógrafo dos famosos abraçou a forma de se dançar funk que, nos últimos anos, acabou se tornando um movimento de grande destaque na cena cultural brasileira.

No universo dos ritmos desde os 12 anos, Kenny aprendeu os primeiros “passinhos” enquanto assistia televisão em seu quarto, onde tentava reproduzir as coreografias de artistas como Beyonce, Rihanna, Justin Timberlake e grandes nomes do Hip Hop que surgiram nos anos 2000. As dancinhas de sua adolescência viraram ferramentas de transformação social, que formou um dos nomes mais cotados para montar coreografias dos shows de famosos no país.

Prodígio da dança no DF, Kenny reconheceu na expressão artística da dança a mais completa e compartilhada experiência que foi produzida pelo ser humano, aquela que poderia ser considerada como a vida, mas elevada a um grau mais alto e intenso.

“Minhas influências internacionais do Hip-Hop. Estudei toda a arte urbana dos subúrbios americanos e me encontrei. Eu tinha algo similar àquela expressão aqui no meu país. Desconstruindo a marginalização da imagem do funk, notei o quanto aquilo era rico e me apaixonei”, destaca o coreógrafo.

Mestre na improvisação, Kenny começou a dançar ainda no colégio em apresentações de datas comemorativas. Após sua família reconhecer seu talento, ele começou a competir em campeonatos de dança por alguns países do mundo (Estados Unidos, Argentina, Paraguai e Uruguai) e quase todas as regiões e capitais brasileiras. O artista é responsável por produzir coreografias de shows e videoclipes de artistas como: Inês Brasil, Melody, Danny Bond, Vittin PV, Matuê, Mc Jacaré e outros artistas do mundo funk.

Graduado e reconhecido em ritmos que vai desde o ballet clássico até o samba, King oferece para diversos jovens a chance de realização por meio da dança. Atualmente como um dos grandes nomes da produtora Federal Funk e GR6, o coreógrafo é responsável não só pela curadoria de dançarinos para as turnês dos artistas, mas também faz audições de jovens talentos em seu estúdio de dança, localizado em Águas Claras, de quatro em quatro meses. “Atualmente trabalhamos com vários artistas locais como Mc Andrezin, Biduh, Mc Brinco, em turnês pelo Centro-Oeste e capitais brasileiras”, acrescenta.

Famoso por criar coreografias para videoclipes, turnês, cinema e viralizar nas redes sociais, o dançarino, que veio de origem humilde enxerga a cultura como um divisor de águas em sua vida e que seu exemplo pode alavancar a vida de várias pessoas e revelar talentos. Seu sonho é criar um polo de dança no DF para revelar novos talentos. Hoje o artista está à frente da agência de talentos: 61 Kilates, que faz menção ao Distrito Federal.

“O processo seletivo que aplico aos meus bailarinos é bem diferente. Não buscamos padrões e sim talentos. Nosso Brasil é completo de corpos e estilos diferentes e é isso que entrego nos palcos: diversidade. E o funk é nosso ritmo de manifestação desse Brasil diverso”, ressalta.