O Melhor do Brasil é o Brasileiro

Cia de Comédia G7 estreia novo espetáculo do Teatro da Universidade Católica

Com muito orgulho, com muito amor, a Cia. de Comédia G7 apresenta seu novo espetáculo: “O Melhor do Brasil é o Brasileiro”. E melhor que o brasileiro é o preço: ingressos a partir de 10 (dez) reais! Em curtíssima temporada, esta comédia tem estreia marcada para o fim de semana das eleições, dias 06 e 07 de outubro, no Teatro da Universidade Católica em Taguatinga e depois segue para o Teatro Maristão em Brasília.

O país dos memes
Uma homenagem aos nossos brasileiros, sofridos, batalhadores e muitas vezes, injustamente, motivos de piada. Uma ode ao que temos de melhor neste país: o nosso povo. Apesar das dificuldades e de todo o descaso dos poderosos, o povo continua festeiro e sorridente, superando os obstáculos sem perder o típico bom humor brasileiro. Dando um jeitinho, que é só nosso, somos imbatíveis em qualquer guerra de memes. Divertida e autocrítica, a peça traz uma profunda reflexão sobre nossa natureza brasileira, humana, e espalha uma mensagem positiva de esperança e amor.

Você pode ganhar cem reais
A peça apresenta uma perspectiva ampla dos vários matizes da nossa cultura e do nosso cotidiano. Com paródias musicais, participação da plateia e muito improviso, o G7 fala sobre as preferências dos brasileiros, as paixões, os chifres, os carnavais, os esportes. No fim, há uma cena chamada “Show do Cenzão”, em que um espectador concorre a cem reais no palco. Em cada sessão, caso responda às três questões feitas pela personagem, a “vítima” da plateia pode, literalmente, ganhar uma nota de cem reais.

Ingressos a partir de dez reais
Com o apoio do Fundo de Apoio a Cultura do DF (FAC-DF), o G7 conseguiu disponibilizar ingressos a partir de 10 reais a meia entrada para estimular o acesso de todos à Cultura. Resumindo, você paga dez reais pra assistir, se diverte e ainda tem a chance de sair de lá com cenzão no bolso.
Não precisa fazer fila pra comprar ingresso… Dá pra comprar pela internet. O único problema é que você sabe o quanto que brasileiro gosta de uma fila…