Cleide Lima – Empreendedora da Semana

Microempreendedora brasiliense é exemplo para mulheres que desejam se aventurar no mercado de festas

 Há quatro anos, Cleide Lima iniciou seu empreendimento familiar por acidente. Ela queria montar a festa de aniversario de sua filha. O resultado foi além do imaginado e, desde então, a empresa Gaya Festas Personalizadas vem se destacando no mercado de festa em Brasília.

 

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), quatro em cada 10 lares brasileiros são sustentados por mulheres e mães de família. Recentemente, novos números sobre o crescimento do empreendedorismo no país tem trago dados animadores para as mulheres. Nos últimos 15 anos, o percentual de empresárias mulheres chegou a marca de 34% entre o total de donos de empresas no Brasil.

 

Além de uma nova esperança para a economia brasileira, uma luz no fim do túnel para muitas famílias. Esse é o caso da consultora técnica Cleide Lima de 49 anos.Ela trabalhou por anos em órgãos públicos, na cidade de Brasília – DF. Por fim, em 2011 ela engravidou dafilha e percebeu que seria impossível conciliar viagens longas de trabalho, jornadas diárias de longa duração e a vida materna. “Meu contrato venceu eeu decidi não renovar. Foi a decisão mais difícil que tomei em toda minha vida. Meu salario era bom, mas não conseguia mais ficar longe da minha filha.”De repente, a realidade de Cleide apertou. Sua única fonte renda passou a ser a venda de uniformes para profissionais da área de saúde.“Quando minha filha completou três anos, eu quis fazer uma festa. Fiz alguns orçamentos, que me desanimaram, pois sairia além do que eu poderia pagar”,conta a empresária.

 

Conversando com o esposo, Manoel Lima, surgiu a ideia de montar uma mesa de festa. Manoel , que nunca havia manuseado uma máquina de corte de madeira, resolveu montar o material. “O serviço saiu muito bom e o resultado muito melhor do que imaginávamos. Montamos adereços sem saber se ficaria bom. No entanto, a mesa fez tanto sucesso, que a minha vizinha pediu para alugar. Foi assim que a minha primeira mesa foi alugada e recebemos um retorno positivo. Desde então resolvemos investir na divulgação do trabalho de decoração de festas nas redes sociais”.

 

Essa mudança repentina trouxe resultados favoráveis para as finanças da família que, desde então, lucra com aluguel e decoração de festas aos finais de semana. “ Eu acordava as 5h da manha, todos os dias para trabalhar na divulgação. O serviço sempre foi pesado. Mas, desde o primeiro aluguel de mesas, não tivemos um fim de semana de folga.” -conta a empresaria.

 

“Meu marido não era marceneiro. Eu nunca soube nada sobre decoração de festas. Mas tenho orgulho de dizer que sei muito mais que quando comecei. Hoje, temos um acervo que não pára de crescer. São mais de cem temas disponível para montagem e locação. Também montamos novas peças sob encomendas. Há três anos surgiu a demanda de fabricar personagens em madeira, os famosos totens/displays e tambémpeças exclusivas para atender a um mercado exigente que pede qualidade e beleza nas suas decorações.

 

Otimista, Cleide explica que todos os finais de semana há muito serviço, com uma média de três a 6 festas. “Esse é o nosso limite, pois ainda somos uma empresa familiar e não conseguimos atender mais demandas, ainda. Também queremos ampliar a produção de displays para fora do DF, sonho ainda não concretizado pelo excesso de demandas. Mas há mercado. Por isso, no futuro, vamos investir em levar nossos materiais para outros estados.”

 

pordois anos, a Gaya Festas Personalizadas vem participando com seus totens, de uma feira conhecida no mercado empreendedor de festas, a Mercaddo Kids. “Participar de feiras especializadas oferece um novo panorama sobre o mercado. Isso deu uma visibilidade para a nossa marca.E por isso, seguimos otimistas de que ainda há muito o que fazer, e muitas crianças para alegrar. E o melhor, eu amo o que faço. Hoje, sou uma mulher realizada.