Águas Claras na Semana de Moda de Milão

Valéria Lessa levou na mala o que há de mais significativo na moda da cidade

As marcas da cidade estiveram bem representadas na Semana de Moda de Milão, que aconteceu entre 17 e 23 de setembro. A consultora de moda e colunista da Folha de Águas Claras, Valéria Lessa, fez questão de levar as composições das vitrines da cidade para uma das 4 semanas de moda mais importantes do mundo, junto a Nova Iorque, Paris e Londres. Valéria já havia levado os looks para Nova Iorque no ano passado e planeja sua estada em Paris e Londres no verão europeu.

Milão
Alguns dos nomes mais famosos da moda italiana e do mundo marcaram a Semana de Moda de Milão, com um calendário mais curto, começando com a abertura da grife de luxo Prada e terminando com um protesto surpresa da Gucci. Miuccia Prada escolheu uma nova abordagem, evitando a moda a favor do estilo atemporal, enquanto Alessandro Michele, da Gucci, fez um desfile controverso com uma série de camisas de força. Apesar disso, a marca de Donatella Versace foi a responsável por brilhar na passarela.
Espalhados pela cidade italiana, vários outros designers exibiram suas coleções primavera-verão 2020 em locais com arquiteturas deslumbrantes. Para celebrar sua primeira temporada como diretora criativa da Missoni, Margherita Missoni fez sua apresentação encenando um bonde viajando por Milão. A cada parada, novos modelos apareciam vestindo uma mistura de estampas clássicas.
Silvia Fendi, por sua vez, fez seu primeiro “show” solo após a morte do diretor criativo Karl Lagerfeld em fevereiro, o que representa um novo início para a marca romana.
O desfile da Gucci também foi um dos momentos marcantes desta temporada. Com foco na noção da humanidade e em uniformes, Michele enviou para a passarela modelos usando variações de camisa de força na cor branca.
Entretanto, os estilistas de Milão não sofreram pressão, como a realizada em Londres, para abordar as questões climáticas e meio ambiente, mas muitos aproveitaram seu momento de destaque para abordar a sustentabilidade. A Prada, responsável pela abertura dos desfiles, foi uma das 32 marcas que assinou o “Pacto de Moda” no mês passado e se comprometeu a reutilizar materiais. Já a Colville, transformou velas de barco reciclados em quebra-ventos, enquanto que a Missoni teve sua maior parte da coleção feita de tecidos reaproveitados.